RSS

A Mulher de Ló

11 nov

            Lucas registra um discurso de Jesus sobre o julgamento de Deus (Lucas 17:20-37). Jesus usou alguns exemplos do passado para nos lembrar que o julgamento de Deus vem repentinamente e, às vezes, sem aviso (Noé – 17:26-27; Sodoma – 17:28-29).

           Ao mesmo tempo, ele cita a dificuldade de abrir mão das coisas desta vida (17:27,28). Logo depois, ele inclui uma linha que chama a nossa atenção: “Lembrai-vos da mulher de Ló” (17:32). No contexto de comentários sobre a tendência humana de conservar esta vida enquanto esquece do futuro, a menção da mulher de Ló é carregada de significado para todos os leitores do evangelho.

           Vamos aprender algumas lições importantes dessa figura quase esquecida do Antigo Testamento.

 A História da Família de Ló

        Ló era sobrinho de Abraão. O pai dele morreu antes da família sair de Ur dos caldeus, e Ló acompanhou Abraão nas suas jornadas depois (Gênesis 11:26-31; 12:5; 13:5). Ló, como seu tio, se tornou rico.

         Os rebanhos dos dois aumentaram tanto que decidiram se separar. Abraão deixou Ló escolher a melhor terra, e este foi na direção de Sodoma, na campina do Jordão. Ele viu terra fértil, boa para a criação dos seus rebanhos, e tomou uma boa decisão profissional. Ao mesmo tempo, se colocou num deserto espiritual.

         Além de se separar de um homem bom e justo, seu tio Abraão, Ló levou a família na direção de Sodoma, uma cidade conhecida por sua imoralidade e maldade. Com tempo, ele acabou mudando para a própria cidade de Sodoma. Alguns anos passaram, e Deus resolveu destruir Sodoma e as cidades vizinhas, pois não achou quase nenhuma pessoa justa nelas (leia o relato em Gênesis 19). Naquele dia, Ló perdeu praticamente tudo.

            Os noivos de suas filhas não acreditaram nos anjos de Deus, e ficaram na cidade condenada (19:14). A mulher de Ló, em desobediência aos mensageiros de Deus, olhou para trás e se tornou numa estátua de sal (19:17,26). Logo em seguida, as duas filhas de Ló deram vinho para o pai e cometeram incesto com ele (19:30-38).

           O lugar de Ló na história é como pai das tribos nômades de Moabe e Amom, que se tornaram inimigos do povo de Israel, os descendentes de seu tio, Abraão. No final de contas, a “boa” decisão profissional de Ló lhe custou caro. Perdeu as suas riquezas, a sua mulher, a inocência de suas filhas, e a sua participação com o povo de Deus.

             Foi uma boa decisão em termos financeiros? Talvez sim. Mas em termos da família e de sua vida espiritual, a mudança para Sodoma foi uma péssima decisão que estragou a vida de Ló. As Nossas Decisões Profissionais e Financeiras Todos nós tomamos decisões financeiras e profissionais — promoções na empresa, oportunidades de novos empregos, mudanças, compras de casas e terrenos, etc. Quando encaramos tais escolhas, devemos lembrar daquela estátua de sal e responder honestamente a algumas perguntas.

             Se eu fizer tal coisa, isso vai me ajudar espiritualmente? Vai ajudar a minha família espiritualmente? É um passo para o céu, ou um passo mais longe de Deus? Em Relação aos Bens Materiais Por que a mulher de Ló olhou para trás? Tudo que ela possuía, tudo que lutaram para conseguir durante toda a vida, estava se tornando cinzas. Os bens materiais e a vida que ela tinha em Sodoma chamaram a atenção dela, e olhou para trás.

               Nós teríamos feito diferente? Jesus sugere a mesma tendência a nos prendermos às coisas materiais quando fala de comprar, vender, plantar e construir (Lucas 17:28). Não tem nada de errado nessas transações, e nada de errado em possuir algumas coisas. Abraão, o bom tio de Ló, estava lá nas colinas de Canaã com seu gado e centenas de empregados. O problema não está em possuir, mas em nossas prioridades.

            É uma questão do coração. Jesus falou sobre esse desafio em Mateus 6:19-34. O perigo de acumular bens materiais e de chegar a amar o senhor errado, “porque, onde está o teu tesouro, aí estará também o teu coração” (Mateus 6:21). Quando sonhamos em acumular bens materiais, ou nos dedicamos a conservação das coisas que já temos, precisamos lembrar daquela estátua de sal. Na Vida Social e Sentimental (Família) O relato de Gênesis não entra em detalhes sobre a vida social da família de Ló.

           Porém, o comentário sobre os noivos das filhas mostra um pouco do que deixaram para trás. As duas filhas esperavam casar com homens que não deram importância para a palavra de Deus. Jesus comenta sobre uma circunstância semelhante na época de Noé (Lucas 17:27). Muitas pessoas vivem como se tivessem garantia de muitos “amanhãs”.

         Dão mais importância às festas e aos eventos sociais do que aos trabalhos espirituais, priorizando a vida social. A tendência de muitos jovens é colocar o namoro acima das coisas de Deus. É como se tivesse tempo agora para se divertir, com a intenção de servir a Deus futuramente.

        Eu sou totalmente a favor do casamento, como uma das maiores bênçãos que Deus nos deu nesta vida. Entendo que o namoro, na nossa sociedade, faz parte do processo de construir uma vida com uma outra pessoa. Não tenho nada contra o namoro.

        Mas a vida social ou o namoro podem facilmente nos desviar das coisas de Deus. Quantos jovens cristãos já abandonaram a sua fé porque namoraram descrentes? Quantos jovens param de crescer espiritualmente porque se dedicam, quase por completo, ao namoro? Quantas pessoas gastam mais tempo conversando com o namorado do que com Deus? Se deseja construir uma família que trará alegria nesta vida e na eternidade, lembre-se de Salmo 127:1 – “Se o Senhor não edificar a casa, em vão trabalham os que a edificam”.

         Um namoro carnal raramente produz um lar espiritual. Na sua vida social e sentimental, lembre-se daquela estátua de sal! Lembre-se de Uma Outra Mulher Quando Ló partiu na direção de Sodoma, Abraão voltou para uma terra menos atraente, mas escolhida por Deus. Ele habitou algum tempo em Hebrom (Gênesis 13:18).

          Apesar de ele ser rico, este fato nunca é frisado nos relatos sobre Abraão e Sara. A Bíblia destaca a fé dele (Hebreus 11:8,9,17; etc.) e a submissão, a obediência, a santidade e a fé dela (1 Pedro 3:5-6; Hebreus 11:11). Nos relatos bíblicos, Sara não mostrou nenhuma preocupação em procurar uma habitação perfeita aqui, mas se preparou para a habitação eterna. Como uma mulher de fé, ela morreu com dignidade e se tornou mãe do povo da promessa.

         Qual delas imitaremos?

        São dois exemplos bem diferentes. Uma mulher de nome desconhecido que se tornou uma estátua de sal, ou a mulher escolhida por Deus para participar das bênçãos que ele preparou para todas as famílias da terra. Sara ganhou a boa fama, e a mulher de Ló se tornou estátua de sal. A diferença?

         As decisões que elas tomaram no dia-a-dia. Quando confundimos as nossas prioridades e pensamos em tomar decisões más, devemos lembrar-nos da mulher de Ló!

 por Dennis Allan

Anúncios
 
Deixe um comentário

Publicado por em 11/11/2011 em Estudos

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: